Bibliotecas ampliam acessibilidade

Voltar
A+
A-

Por Coordenadoria de Comunicação Social   |   3 de Julho de 2014

Visando ampliar a acessibilidade de alunos com necessidades especiais, a Escola e Fundação Dorina Nowill para Cegos firmaram parceria para aquisição de audiolivros que compõem a bibliografia dos cursos de graduação e pós-graduação. Os computadores das bibliotecas do Rio e de São Paulo também receberam softwares livres capazes de converter os textos em áudio.

Entre os primeiros livros falados já adquiridos e, em breve, disponíveis para consulta nas bibliotecas da Escola nas duas cidades estão a Constituição Federal; A Arte da Guerra, de Sun Tzu; Recursos Humanos, de Idalberto Chiavenato; e Gramática em 44 Lições, de Francisco Platão Savioli.

“Estamos tornando a Instituição ainda mais acessível a todos que têm interesse em conhecer e estudar o nosso mercado, mesmo que tenham necessidades especiais”, explica a coordenadora das Bibliotecas da Escola, Virginia Thome.

Virginia - que visitou a Fundação no início de maio, juntamente com Mariana Rocha, bibliotecária da Instituição em São Paulo - conta que, além da aquisição da bibliografia, a Escola foi cadastrada para receber doações de audiolivros da Fundação. Assim que forem catalogados, os livros poderão ser ouvidos nos computadores das bibliotecas.

Além da aquisição dos audiolivros, foram instalados nas máquinas três programas que transformam texto em voz, possibilitando aos portadores de necessidades especiais navegar na Internet e elaborar trabalhos de curso: DOSVOX, desenvolvido pelo Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ; NVDA; e Liane TTS.

Essa não é a única iniciativa da Escola para ampliar a acessibilidade inclusiva. A Instituição oferece, desde 2006, o Curso de Libras, disciplina eletiva da Graduação em Administração + Seguros e Previdência. Nos computadores das bibliotecas do Rio e de São Paulo foram instalados o Dicionário de Libras, doado pelo Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES).

“Essas ações de acessibilidade visam garantir aos portadores de necessidades especiais, através dos recursos tecnológicos, oportunidade de formação acadêmica para que possam trabalhar no mercado de seguros”, afirma Claudio Contador, diretor de Ensino Superior e Pesquisa da Escola.

Outras Notícias