Futuro do setor marcou discursos na abertura do XVII Conec

Voltar
A+
A-

Por Coordenadoria de Comunicação Social   |   18 de Outubro de 2016

A solenidade de abertura do XVII Congresso dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo – Conec, realizado entre 6 e 8 de outubro, no Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo (SP), foi marcada pelo pronunciamento de autoridades e principais lideranças do mercado de seguros. Em uma noite de discursos breves, os temas centrais foram o futuro do setor diante da situação econômica do Brasil e a criação de uma agenda positiva para ações em conjunto.

Para o presidente da CNseg, Marcio Coriolano, o mercado de seguros contribui para o desenvolvimento sustentável, pois gera cerca de R$ 800 bilhões em ativos por ano, que representam poupança interna expressiva. Apesar da situação econômica e política do País, o executivo afirmou que o setor deve fechar o ano com crescimento em torno de 8% a 10%. “A agenda precisa integrar todos os agentes do segmento. Vamos trabalhar para inserir a indústria de seguros no centro das políticas econômicas do País, para que compreendam a importância do setor”.

De acordo com o presidente da Fenacor, Armando Vergilio, o mercado tem apresentado crescimento, mas não evoluído o suficiente. “Os riscos continuam batendo na nossa porta e as pessoas precisam estar seguradas. Está em nossas mãos o poder de construir uma agenda positiva”.

O anfitrião Alexandre Camillo, presidente do Sincor-SP, ressaltou que o segmento precisa de união para se desenvolver e citou as ações que estão sendo realizadas pelo sindicato nesse sentido. “Temos expandido o debate, aproximando outros setores e promovendo o diálogo e trabalhos conjuntos com órgãos como a OAB e o Sebrae”.

Seguro nas escolas

Para o presidente da Escola Nacional de Seguros, Robert Bittar, este foi e ainda está sendo um ano desafiador. “Passamos pela reconstrução do crescimento econômico e dos valores éticos. Esse é um momento único, de desafio alinhado à oportunidade”.

Bittar defendeu a criação de uma agenda de forma macro, que atenda a todos os segmentos e promova o crescimento do mercado e, consequentemente, do País. “A Escola fará tudo o que estiver ao seu alcance para contribuir com o desenvolvimento do setor”, concluiu.

Joaquim Mendanha, superintende da Susep, afirmou que a autarquia não medirá esforços para disseminar boas práticas e incentivar ferramentas adequadas para que o setor possa crescer de forma sustentável e amparar adequadamente a população. “A educação financeira tem papel relevante para expor à sociedade o quanto é importante dispor de um mercado de seguros sólido, eficaz e pronto para atender diferentes demandas. Dessa forma, o setor estará preparado para ser um dos principais protagonistas na retomada do desenvolvimento econômico do País”.

Representante do Governo do Estado de São Paulo, o secretário da Educação, José Renato Nalini, exaltou o trabalho do corretor de seguros e a relevância do mercado de seguros para a sociedade. “Entendemos a importância desse setor e posso dizer que já estamos implementando um projeto para dar as primeiras impressões do seguro nas escolas”, revelou Nalini.

Também estiveram presentes na mesa solene de abertura o presidente do Sindseg-SP e da ANSP, Mauro Cesar Batista, o presidente do Sindicato dos Securitários, Calisto Cardoso, e a 2ª vice-presidente do Sincor-SP, Simone Martins.

Outras Notícias